site oficial

O menino que não sabia de nada


O MENINO QUE NÃO SABIA DE NADA Um dia, acordei após um sonho lindo, com a intenção de tornar o Céu mais real do que a Terra.

Eu acabara de sonhar que via o Menino Jesus, ao lado de um galão de fogo brincando com três pedrinhas...

Parecia um lindo poema de Fernando Pessoa que havia lido na noite anterior.

Ele chegava perto de mim e me contava uma estória que irei narrar agora...

- Vocês acham que eu poderia ser uma árvore ? - disse o Menino Jesus. Até poderia, não é ? Não teria que tomar banho...Por outro lado, acho que sim. Se bem conheço Deus, Ele faria chover e me faria tomar banho quando Ele quisesse, do mesmo jeito. Não ! Acho que árvore não seria bom. Os homens nunca se lembram de regar as árvores, só as flores bonitas e perfumadas. Não... pensando bem... acho que seria bom, sim. Não teria pais que não me entendessem. Mas será que seria bom não ter pais ? É pena que os homens só se lembrem disso quando os perdem, não acham?

Nisso, aparecia um arcanjinho, que se chamava Miguel e sentava-se ao lado do Menino Jesus, arrumando peninhas quebradas, que estavam em suas mãos, de suas própria asinhas.

- Falando sozinho de novo Menino Jesus ? -, disse o Arcanjinho Miguel.

O Menino Jesus continuou entretido com suas pedrinhas, mas respondeu: - Estou pensando no que eu poderia ser lá na Terra...

O Arcanjinho Miguel, também entretido com as peninhas de suas asinhas, retrucou:
- Ué... Você poderia ser o que quisesse...


- Assim não tem graça. Queria ser uma coisa só. E, se eu fosse um animal. Qual você acha que eu poderia ser?

Arcanjinho Miguel debochado responde: - Cachorro !

- Cachorro, Miguelzinho !? -, estranhando a comparação.

- Por quê não ? Cachorro é o melhor amigo do homem, não é ? E, você é o melhor amigo de todos.

- Mas cachorro é que nem criança Miguelzinho... quase não tem direitos.

- Pensando por esse lado... É... está certo ! E vai sempre acabar dependendo dos adultos. Não é um bom negócio você ser cachorro lá na Terra, não.

- Pensando bem, não quero ser animal, não Miguelzinho. Lá na Terra eles perseguem os animais...

De repente, do nada, aparece Magnodum, o Elfo criança, e pousa desengonçadamente ao lado dos dois:

- Oi !!!! Menino Jesus e Miguelzinho juntos de novo... devem estar aprontando alguma. Qual é a boa ?!

O Menino Jesus e Arcanjinho Miguel continuam atentos aos seus afazeres, mas comentam a trapalhada de Magnodum:

- Qualquer dia desses você vai pousar no meio do Pântano, Magnodum -, disse Miguelzinho.

Magnodum, doido por uma confusão, responde ironicamente, se aproximando dos dois:

- Pelo menos as minhas asas estão inteiras, né Arcanjinho...

- Se você fosse gente, o que seria, Magnodum ? -, pergunta o Menino Jesus mudando a conversa.

- Eu, gente !? Cruz Credo !

O Menino Jesus olha para o Elfo decepcionado e Miguelzinho fica enfezado... Magnodum, sem jeito e desconcertado pela expressão usada de forma não adequada, diz:

- Ô, Menino Jesus.... nada pessoal... Quer dizer... desculpa, aí, não quis ofender a sua cruz... -, e dá um tapinha nas costa do Menino. Repondendo à sua pergunta, eu acho que seria o Super-Homem.

- É mania de grandeza. Para que ?, retruca Miguelzinho.

Magnodum debochado responde: - Para fugir de casa mais rápido -, e sorri.

- Sempre engraçadinho... responde Miguelzinho.

- O que você acha de eu ser uma árvore, Magnodum ? -, pergunta o Menino Jesus.

- ... É uma boa, e de árvore eu entendo. Não precisa tomar banho, só quando Deus quer.

- É esse o problema. Os pais não respeitam as nossas vontades. E se eu achar que não é hora de tomar banho ? A minha sujeira incomoda mais a mim ou a Eles ?

- É isso mesmo. Estou com você e não abro, Menino Jesus. Quais são os direitos que nos são dados ?

- Acho que ele não está te levando a sério, viu Jesus... - retruca Miguelzinho.

- Como não, ô !? O Menino como Segunda Pessoa da Trindade, deveria fazer com que alguém cumprisse os direitos da criança, ora. É melhor do que ser uma árvore.

- Não iriam me levar à sério... -, responde o Menino Jesus.

- ... É com certeza iriam te crucificar de novo. Retruca Miguelzinho.

- Os homens pensam que nós é que não conseguimos entendê-los. Mas eles nunca se preocupam de pedir nossa opinião... só sabem fazer pedidos -, continua o Menino Jesus.

- No meu caso também, afirma Miguelzinho. São tão poucos os que lembram de nos agradecer. Você agradece ao seu anjo de guarda, Magnodum ?

De repente, do nada, surge subitamente o Arcanjinho Gabriel, chefe dos Anjinhos, fazendo com que o Arcanjinho Miguel parasse de consertar as asinhas e ficasse sério.

- Miguel ! Miguel ! Você não deveria aborrecer o Menino Jesus com bobagens, fala em tom sério o Arcanjinho Gabriel.

- Ele não me aborrece, não, Gabriel - diz o Menino Jesus enquanto continua a mexer com suas pedrinhas.

O Arcanjinho Gabriel pergunta: - O quê o está incomodando, Jesus?

Magnodum se intromete e responde: - Ele não sabe o que ser lá na Terra...

Arcanjinho Gabriel vira-se para o Elfinho e responde: - E, você ?! Não tinha que estar cuidando de sua árvore, Magnodum ?

- Já terminei, já terminei. Queriam derrubar aquela árvore, mas eu não deixei. A raíz está mais forte agora. Os duendes e gnomos estão de guarda esta noite.

Arcanjinho Gabriel volta a atenção para o Menino Jesus. - O que o seu coração lhe pede, Jesus ?

- Se eu dissesse que queria ter uma estrela só para mim, você me daria, Gabriel ?

- Talvez. Por quê, não ?

- Você acha que eu posso pedir isso para minha mãe ?

Arcanjinho Gabriel fica sem graça, mas responde: - Você não acha que tem coisas mais importantes para fazer ? Os homens esperam outra coisa de você.

- Por quê sempre eu tenho que resolver os problemas dos homens ? Eles nunca pensam em resolver os meus -, fala o Menino Jesus desolado.

- Por isso você é especial.

- E se eu não existisse ? E se eu nunca tivesse existido ? Os homens não saberiam se uma flor tem perfume, se nunca vissem uma ?

- Muitos, talvez não, Menino Jesus.

- Eu não gosto de ser especial. Se eu fosse uma rosa, nunca teria espinhos. Espinhos machucam, sabia Gabriel ?

Arcanjinho Gabriel fica triste e cabisbaixo com a afirmação do Menino Jesus: - Não sabia. Mas você não seria feliz de outro modo, Jesus.

Novamente, do nada, surge Dundo, o Duende do Amor, de barbas longas e grisalhas como um mágico ilusionista, intrometendo-se na conversa:

- Sabem o que eu acho ? Os homens nunca pensam se Jesus está feliz ou não -, ressalta Dundo.

- Mas isso aqui hoje está uma festa hein ?! -, debocha Magnodum.

- De onde você surgiu, Dundo ?

- Você esqueceu Menino Jesus, que você me deu o poder de aparecer de repente, sempre que houvesse amor nos corações ?

Magnodum, descontente com a presença de um outro elemental na conversa, fica retrucando: Aparece assim, de repente, e sem avisar...

- Eu estou ouvindo, viu Magnodum ?! Eu não preciso avisar. Eu apareço quando os corações estão abertos como agora. O que o aflige, meu filho ?

- Eu fui até à caixa dos "Três Milagres" e roubei dois...

Todos presentes, Gabriel, Miguel, Magnodum e Dundo ficam indignados e falam ao mesmo tempo: - Roubouuuuu ?!?

- Tá vendo ... eu sabia que não podia contar para vocês.

Gabriel, Miguel, Magnodum e Dundo ficam sussurrando e conversando entre si. De repente se pronunciam: - Mas, Jesus ! Você não poderia roubar nunca. Não faz parte da sua natureza.

- É contra a lei do seu Pai... -, fala o Arcanjinho Gabriel.

- Você vai mudar o destino da Terra... -, fala Magnodum.

- Todo mundo vai seguir o seu exemplo e será o caos... -, fala o Arcanjinho Miguel.

- Não haverá mais Jesus na cruz... -, fala desesperado o Arcanjinho Gabriel.

Dundo interrompe: - Deixem ele falar !

- Pois bem... Naquele dia que o Espírito Santo foi resolver o problema daquela guerra e Deus estava dormindo... vocês lembram ? -, conta o Menino Jesus.

Gabriel, Miguel, Magnodum e Dundo respondem juntos: - Sim, sim... e aí ? Continua.

- Então... eu fui até a caixa e realizei dois milagres.

- Ah..... Claro que sim ! Esse é o Menino que conheço ! -, fala Magnodum.

Arcanjinho Miguel e Dundo respondem: - E isso é importante, Magnodum ? O que você fez, Menino Jesus ?!

Magnodum responde, mesmo que ninguém lhe dê atenção: Claro que sim!

Arcanjinho Gabriel continua: Você mexeu nos Três Milagres de Deus?

Menino Jesus tranquilamente responde: - Mexi. Com o primeiro, eu fiz com que ninguém soubesse que eu havia fugido; e, com o segundo, eu fiz com que eu me tornasse eternamente criança e humano.

Arcanjinho Gabriel olha para os amiguinhos e diz: - Bem que o Arcanjinho Rafael disse, que de uns tempos para cá, têm acontecido muitos desastres na Terra.

Magnodum complementa: - Eu estou tentando dar um jeito nas florestas, nas inundações, nos terremotos... mas está difícil.

Dundo completa: - Eu tenho tentado colocar o amor e a compaixão no coração dos homens, mas eles não se importam mais. Não lutam mais juntos pela paz.

E Arcanjinho Miguel... - Deus queria que eu acabasse com a fome, mas os homens não repartem o que têm.

Gabriel, Miguel, Magnodum e Dundo falam juntos: E agora ? O que nós vamos fazer sem você, Jesus ?

- Eu vou dar meus sonhos para vocês sonharem -, afirmou o Menino Jesus.

- E, aos homens, Menino Jesus ? O que vai dar ? Eles precisam de você !

- Eu vou ensiná-los a olhar para o mundo, a amar o próximo e a saber viver com seus defeitos, sem que para isso eu precise ser o modelo deles.

Arcanjinho Gabriel retruca: - Mas em 2000 anos você não conseguiu isso.

Arcanjinho Miguel completa: - Como acha que irá conseguir em poucos anos de sua vida na Terra ? As pessoas na Terra não vivem mais do que 100 anos.

- Talvez, Gabriel, eu não tenha conseguido porque eu estive vivo para os olhos e não para o coração dos homens. E Miguelzinho... se eu não conseguir em 100 anos... então....

- E seu Pai e sua Mãe ? Vão sofrer sem você por perto, Menino Jesus -, continua o Arcanjinho Gabriel.

- Mas eu preciso aprender as coisas que eu ainda não sei.

- Mas você já sabe tudo, Menino Jesus -, afirma Dundo.

- E quando você morrer ? O que vai acontecer ? -, pergunta Magnodum.

- Eu não sei tudo. Eu não sei por exemplo, porque alguns me amam e outros me odeiam. E quando eu morrer, aí voltarei para os braços do meu Pai e vocês podem me dizer tudo o que aprenderam nesse tempo que ficaram sem mim. Se eu agir errado, vocês vão poder me censurar como fazem com os homens.

Magnodum, gostando da idéia, retruca: Vendo por esse lado, não é tão ruim, gente!

Dundo, Miguel e Gabriel gritam: Cala a boca, Magnodum. Isto é sério.

Menino Jesus se assusta com o grito e vira-se... Aponta para o céu e diz: - Olhem ! Olhem !

Gabriel, Miguel, Magnodum e Dundo - - O quê ? Não estamos vendo nada.

- O Raio de Sol dos Três Milagres, veio me buscar. Preciso ir -, e sai caminhando.

- Espere aí !! Mas como vamos saber o que você vai ser lá na Terra ? -, indaga Magnodum.

Menino Jesus, andando em direção ao Raio de Sol dos Três Milagres, responde: - Vou ser eu mesmo. Só que vou começar tudo de novo. Não é melhor do que ser uma árvore ou cachorro ?!

Arcanjinho Gabriel desesperado, grita: - Não vá, Menino Jesus. Fique com a gente.

- Você se esqueceu, Gabriel ? Eu sou uma parte de vocês.

E o Menino Jesus sai e desaparece no ar.

Arcanjinho Miguel nervoso, pergunta: - O que vamos fazer, Gabriel ?

- Tenho que pensar. Calma. Não me afobe.

- E quando Deus descobrir ? -, indaga Dundo. Ele era nossa responsabilidade.

Magnodum repete: - É... Nós eramos responsáveis por Ele.

Arcanjinho Gabriel começa a falar baixo: - O Espírito Santo já deve estar sabendo... Vamos pensar numa solução. Vamos falar baixo.

Enquanto os três ficam pensando em uma solução, o Menino Jesus aparece na Terra, conversando com um homem em meio a uma guerra, e pergunta:.

- Senhor, qual guerra é esta ?

E o Homem da Guerra se assusta, e grita: - Tirem esse menino daqui ! Quem deixou uma criança entrar aqui !?

Mas o Menino Jesus é insistente: - Qual o motivo dessa guerra ?

- De onde você veio, menino ? É a disputa do nosso povo para reconquistar as terras que eram de nossos ancestrais.

- Por quê ? O nosso povo não tem terras suficientes para todos nós ? - Tem. Claro que tem.

- Então por que querer mais ? - Porque são nossas, menino, sempre foram e nos roubaram. Agora saia daqui !

- E precisamos nos matar uns aos outros por mais um pedaço de terra ?
- Não fomos nós quem começamos...
- E quem foi ?
- ... Não sei, garoto... acho que foram eles.
- Eles, quem ?
- Como assim, os meus ou os seus ? -, pergunta o Homem da Guerra já confuso e nervoso.


- Os inimigos são dos homens, das terras ou das crianças ?
- Não estou entendendo o que você quer dizer, menino... inimigo é inimigo. Saia daqui !

- Não estou vendo crianças nessa guerra... então, eles não são inimigos das crianças.
- Crianças não vão à guerra, menino. Que bobagem.


- Mas perdem pai e mãe na guerra, não perdem ? Nós sofremos por causa dos seus inimigos. Vocês e seus inimigos não pensam nas crianças.

- Crianças vão virar homens; homens vão virar soldados; soldados vão amar a terra e devolver a terra que era da criança -, responde o Homem da Guerra.

- Mas a terra vale arriscar a sua vida e mais a vida da criança de hoje ?
- Vale!


Menino Jesus sai andando, deixa o Homem da Guerra irritado, e retruca: - Então, eu não sei de mais nada.

Anda, anda, até que encontra o Homem da Montanha, ao som ensurdecedor de serras e marteladas...

- Senhor ? Por quê tanta fumaça ?
- De onde você veio ? Hei ! Esse menino é filho de algum lenhador ? Eu não falei que é perigoso trazer crianças aqui !?

- Eu já estou indo embora, me responda: o que é tanta fumaça ?
- Estamos queimando as matas menino. Você é filho de quem ?

- Para que queimar ?
- Para virar lenha, virar papel, celulose... é o que faz você escrever no seu caderninho, sabia ? Por que tanta pergunta, garoto ?

- Eu não tenho caderninho...
- Que pena ! Eu não posso fazer nada, está bem ? Olha eu tenho que... ( e ouve-se ao fundo gritar "Madeira" de mais uma árvore caindo. O lenhador em um gesto brusco, encobre o menino no chão ) - Olha... isso aqui não é lugar para criança. Volte para sua casa.

- Só mais uma pergunta: é preciso cortar todas essas árvores ?
- Na realidade, não. Mas dá dinheiro, e ninguém se importa. Tem uns malucos aí, de um tal "Green Peace" que atormenta a gente de vez em quando, mas não dá em nada, não. O governo protege a gente.

- O governo protege o comércio e não protege a natureza ?
- ... É mais ou menos isso.

- E se as árvores acabarem você vai respirar o quê ?
- Imagina !? Você é doido ? Tem muita árvore no mundo. Não vai acabar tão cedo.

- Você prefere arriscar ?
- Eu não prefiro nada. Só faço o que me mandam.

E mais uma vez o Menino Jesus deixa o homem falando sozinho e sai andando:
- ...É ... realmente eu não sei de mais nada.

O Homem da Montanha estranha o menino e grita:
- Hei... você é filho de algum membro do "Green Peace", não é, não?


Enquanto isso.... Arcanjinho Gabriel, Magnodum e Dundo estão conversando, e entra rapidamente o Arcanjinho Miguel sem fôlego, agitado e berrando:

- Gente ! Eu tenho um recado do Espírito Santo.

Gabriel, Miguel, Magnodum e Dundo se espantam: - Conta logo!

- Deus está doente...

Dundo debocha: Tá maluco né Miguel ?!? Imagina... Isso é impossível.

Arcanjinho Gabriel complementa: - Você está louco, Miguel ?! Isso é coisa que se diga ?! Já pensou se alguém o ouve ?

Magnodum, como sempre, irônico: - Eu sempre que disse que ele era meio avoado... ele perde até as próprias penas da asa.

Arcanjinho Miguel afirma: - É sério !?! Deus está doente !

- Estou perdendo a paciência, afirma Dundo. Esse menino agora deu para mentir também ? Anjo que mente, Jesus que rouba.... assim fica difícil.

Arcanjinho Miguel interrompe: - Deus está muito doente, porque o Menino Jesus roubou dois dos Três Milagres, e modificou o eixo que move o destino do Universo. Agora, ou Ele usa o terceiro milagre para se curar, ou guarda para salvar os homens no Dia do Juízo Final.

Arcanjinho Gabriel , Magnodum e Dundo ( apavorados ): Meu Deus ! E agora ?!

- E como se não bastasse... Deus está sofrendo porque o Menino Jesus quis ir embora. Ele não sabe mais o que fazer. Está desesperado -, continua Miguelzinho.

Arcanjinho Gabriel se surpreende: - Deus, desesperado !?

- Não fale alto... mas o Espírito Santo disse que Ele até chorou...-, sussura Miguelzinho.

- Precisamos trazer Jesus de volta de qualquer jeito -, fala decidido Magnodum.

- Mas Ele não quer voltar, comenta Dundo. Ele só poderá voltar quando seu coração quiser.

Arcanjinho Miguel complementa: Além disso, como vamos falar com Ele ? Todo mundo sabe que não podemos interferir na vida dos homens.

Arcanjinho Gabriel desolado, afirma: - E Deus também não aprovaria...

- ... E, os homens têm que ter o direito de errar e têm o livre arbítrio -, continua Magnodum.

- E o mais importante -, afirma Dundo: os homens têm que assumir suas próprias consequências. Porém...

Arcanjinho Gabriel olha para Dundo: - O que foi ? Teve alguma idéia?

Dundo pensativo: - E se chamássemos a atenção do Menino Jesus ?

Magnodum estranha: - Como assim ?

- Isso Mesmo, Dundo. Pela intuição... vamos fazer com que Ele tenha idéias de voltar, deixando que pense que a idéia foi Dele.

- Mas se Ele não tiver a vontade de voltar, não vai adiantar nada, porque Ele não seguirá a sua intuição, achará que é bobagem da cabeça Dele -, completa Miguelzinho.

- Está certo... Pode ser mesmo, fala o Arcanjinho Gabriel. Os homens nunca seguem a sua intuição... mas temos que chamar a sua atenção de algum jeito.

Todos ficam pensativos por um curto período de tempo.

Magnodum levanta-se e diz: - Já sei ! A alma do Menino Jesus é a mesma, não é ? Então, existe alguém que pode conversar com Ele.

Dundo pergunta: Quem ?

Arcanjinho Gabriel e Miguel se entreolham e respondem: O Espírito Santo !

- Boa idéia, Magnodum ! -, fala Dundo. Às vezes, você acerta.

Magnodum orgulhoso: - Vamos falar com Ele.

Enquanto isso, na Terra, o Menino Jesus encontra um velhinho de bengala, vestido de Papai Noel.

- Senhor, por que está tão cansado ?
- Porque tenho fome e não tenho trabalho. Porque tenho trabalho e não tenho filhos. Porque todos me adoram mas estou sempre só.

- E por que não fica com os outros, senhor, com seus amigos, já que tantos o adoram ?
- Pelo mesmo motivo que você está distante. Por que não vem mais perto, meu filho?


- Porque não pertenço mais a este mundo aí, senhor.
- E a que mundo pertence, senão aquele que o Seu Pai te deu, meu filho ?


O Menino Jesus vai andando lentamente enquanto conversa: - O mundo que o meu Pai me deu é muito diferente desse, senhor.

- Ficou triste em conhecê-lo de verdade ?
- Não, senhor. Mas não fiquei alegre também. Mas minha família, no meu mundo, as pessoas com as quais eu vivia... são bem diferentes.

- E por que saiu de lá, então ?
- Porque eu queria ser criança de verdade, aprender sobre os homens. Conhecer a chuva, ver a cor das árvores...

- E, o que você viu ?
- Vi que eu também tenho saudade... que eu talvez não saiba mais sofrer. E que meu Pai e minha Mãe são toda a minha vida, e só estando ao lado Deles é que eu poderei entender os homens de hoje.

Papai Noel vai se aproximando:
- Talvez, os homens tenham que aprender a cuidar de si mesmos sozinhos, meu filho.
- Não entendo isso ... O senhor sabe o que é a vida ?

- Talvez... já pensou que pode ser simplesmente sorrir nos momentos tristes e de sofrimento ?! Que pode ser simplesmente ter esperança nos momentos de dor ?!

O Menino Jesus fica olhando para o velhinho, quando de repente surge um raio de sol... O Menino Jesus aponta e diz:

- Olhe ! Olhe lá!
- O quê?


- O Raio de Sol dos Três Milagres, veio me buscar. Preciso ir.
- E, eu vou vê-lo outra vez ?


- Preciso perguntar para o meu Pai. Mas acho que sim.
- E você acha que Ele vai deixar ?


- Eu acho que sim. Ele é teimoso, mas Ele sabe onde estão os bons corações.
- Quando você voltar não esqueça de trazer o Terceiro Milagre.


Menino Jesus que já estava saindo em direção ao Raio de Sol, pára e pergunta indignado: - Como é que você sabe disso ?

- Os homens sabem de tudo. Só não sabem sobre eles mesmos, meu filho. Mas nós temos uma qualidade: alguns de nós, não perdem a esperança e valem por toda a humanidade.

O Menino Jesus estranha as palavras do velhinho, se despede e segue o Raio de Sol. Quando o Menino Jesus sai, Magnodum, Miguel, Gabriel e Dundo surgem ao lado do Papai Noel.

Arcanjinho Gabriel solene, pergunta: - Pai... o seu filho vai voltar ? - Já voltou, meu filho.

Todos olham para o céu e vêm o Menino Jesus, brincando feliz em um balanço suspenso pelas nuvens.



"No meio-dia, em plena primavera
Eu tive um sonho com uma fotografia
Eu vi Jesus Cristo descer à Terra.


Ele veio pela encosta de um monte
Mas era outra vez menino
A correr, a rolar-se pela erva
E arrancar flores para deitar fora
E a rir de modo a ouvir-se de longe.


Ele havia fugido do céu
Era nosso demais para fingir-se
de Segunda Pessoa da Trindade.


A mim ele me ensinou tudo.
Ele me ensinou a olhar para as coisas
Ele me aponta as cores que há nas flores
E me mostra como as pedras são engraçadas
Quando a gente as tem nas mãos e olha devagar para elas.


Nos damos tão bem um com o outro
Na companhia de tudo
Que nunca pensamos um no outro.
Vivemos juntos os dois
Como um acordo íntimo,
Como a mão direita e a esquerda.


Quando eu morrer, filhinho,
Seja eu a criança,
O mais pequeno.


Pega-me tu ao colo
E leva-me para dentro de tua casa,
E deita-me na tua cama,
E despe meu ser cansado e humano
E conta-me histórias, caso eu acorde
Para tornar a adormecer,
E dá-me sonhos teus para eu brincar."


Fernando Pessoa











DMCA.com

COPYRIGHT ® 1995 BMGV™ © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.

Conteúdo extraído {textos/frases/citações} dos livros de Ana Flávia Miziara e estão protegidos
pela Lei 9.610 de 19.02.1998 de direitos de propriedade intelectual, bem como pelo International Standard Book Number {ISBN},
Cataloging-in-Publication {CIP} - ficha catalográfica pela Câmara Brasileira do Livro {CBL} e Digital Millennium Copyright Act {DMCA}.